Personal tools
You are here: Home Noticias 2006 10 06 Artista plástica transforma esqueletização de folhas em negócio
Log in


Forgot your password?
Navigation
 
Document Actions

Artista plástica transforma esqueletização de folhas em negócio

by xiru last modified 2007-12-04 21:00


São Paulo

Artesanato

Sem clorofila

Técnica antiga é aplicada artesanalmente em uma fazenda produtora de peixes brasileiros no interior de São Paulo

Beth Matias


Na fazenda Santo Antônio do Brumado, em Moji-Mirim, interior de São Paulo, a artista plástica Cida Barros está desenvolvendo uma das técnicas mais difíceis no tratamento das folhas, a esqueletização. O processo, que ocorre espontaneamente na natureza, pela ação de larvas e insetos, que extraem da planta toda a clorofila, deixando aparentes as estruturas vasculares da folha, é feito artesanalmente por Cida e mais sete jovens artesãos, filhos, mulheres e parentes dos funcionários da fazenda.

A esqueletização data de centenas de anos. Consta que já era praticada na China na Dinastia Ming (século 14) e há relatos da época Vitoriana (século 19), quando os "phantom bouquets" serviram para impressionar a nobreza inglesa.

A fazenda Santo Antônio é um criadouro de peixes brasileiros e abriga mais de 14 mil espécies de árvores. Cida, tradutora de profissão, há um ano conheceu no interior de São Paulo a técnica e decidiu implementá-la na fazenda. Criou a Skeleton Leaves, que produz "tecidos" com as folhas esqueletizadas.

A empresa está comercializando até o próximo domingo (8), na Fiaflora Expogarden 2006 - Feira Internacional de Paisagismo e Floricultura, em São Paulo. A Skeleton Leaves é uma das 40 pequenas empresas que participam do evento com o apoio do Sebrae em São Paulo.

Cida explica que a colheita das folhas é feita no dia anterior à produção. São usadas principalmente folhas que caem das árvores. As folhas são cozidas em alta temperatura. Depois, passam por várias lavagens até que a clorofila tenha sido removida. Em seguida, são colocadas para secar em grandes varais.

Entre as folhas mais usadas estão magnólia, mangueira, abacateiro, graviola, eritrina, murici, figueira, seringueira. O resultado é pura celulose. As folhas tornam-se flexíveis e moldáveis, algumas se assemelham a rendas de finíssima trama, outras a organza de seda, algumas lembram o papel-arroz. Cida utiliza corantes têxteis, mas está pesquisando os corantes naturais. "Sabemos que o corante natural perde a cor mais rápido, por isso, estamos fazendo vários testes".

A empresa comercializa os tecidos para decoração e revestimentos, em embalagens, luminárias, móveis, paredes, para aplicação em scrapbooking, entre outros. Além disso, os artesãos confeccionam flores para decoração, chapéus e realizam eventos tendo como decoração as folhas esqueletizadas.

Por enquanto, segundo Cida Barros, a produção é pequena e vendida principalmente para a capital paulista. "Estamos em fase de ampliação e busca de representantes em outras regiões. Já entregamos algumas peças para Fortaleza e Belém do Pará", conta.

Serviço:
Skeleton Leaves - (11) 3168-6485
Agência Sebrae de Notícias - (61) 3348-7494
Sebrae em São Paulo - (11) 3177-4500


5308730

2006-10-06 15:54

2006-10-06 15:54

http://www.interjornal.com.br/fotos/5308730m.jpg

Vinicius Fonseca

Folhas tornam-se flexíveis e moldáveis, permitindo sua utilização de diversas formas


5331148
5303703
5292900
5292561



0

Powered by Plone CMS, the Open Source Content Management System

This site conforms to the following standards: